Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que a remota Groenlândia interessa tanto aos EUA e à China

A compra da remota ilha da Groenlândia proposta pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pode soar estranha. Afinal, trata-se do território menos povoado da Terra, com mais de 2 milhões de quilômetros quadrados – mais ou menos um quarto da área do Brasil – e apenas 57 mil habitantes.
BBC News

Na terça-feira (20/08), Trump decidiu suspender uma viagem no começo de setembro à Dinamarca (a quem a Groenlândia pertence) devido à falta de interesse da primeira-ministra dinamarquesa, Mette Frederiksen, em discutir a proposta. A Dinamarca é a maior ilha do mundo (a Austrália não é considerada uma ilha, e sim um continente).

Não é a primeira vez, no entanto, que os Estados Unidos tentam comprar a Groenlândia. Tecnicamente, o local é um território autônomo pertencente à Dinamarca – país responsável por bancar 60% do orçamento anual do governo e pela política externa e de defesa da ilha.

A ideia surgiu nos EUA durante a década de 1860, pelo então presidente Andrew Johnson. Um relatório do D…

Submarinos de próxima geração podem parecer “discos voadores”, segundo centro de tecnologia russo (VIDEO)

Além do formato, objetivo é construir submersíveis não tripulados.


Igor Rozin | Russia Beyond

A aparência dos futuros submarinos mudará radicalmente em comparação com as máquinas de hoje, declarou o cientista-chefe do Centro de Pesquisa Estatal de Krilov, Valéri Polovinkin, no Salão Internacional Naval e Marítimo de São Petersburgo.


Resultado de imagem para sea orbiter
SeaOrbiter | Reprodução

“Os submarinos do futuro terão contornos fundamentalmente diferentes dos atuais modelos. Talvez, até pareçam discos voadores. E, é claro, não terão tripulantes”, disse Polovinkin, citado pela agência TASS, ao responder se o centro está desenvolvendo projetos conceituais para construir submarinos de última geração.

Segundo o empresário, a equipe do instituto realizou recentemente uma sessão do conselho científico em que a imaginação “rolou solta”. “Especialistas de um de nossos departamentos propuseram versões de capacetes fundamentalmente novos.”

O pesquisador lembrou também que, ainda durante o período soviético, o então projetista-chefe e diretor do Escritório de Projeto de Engenharia Marítima de Malakhit, baseado em São Petersburgo, Geôrgui Tchernichov, e o então projetista-chefe de cruzadores submarinos nucleares estratégicos, Evguêni Kovaliov, desenvolveram submarinos conceituais na forma de discos voadores, entre outros.

“O mundo está prestes a se afastar dos perfis tradicionais dos submarinos. E não ficamos de fora desse processo. Já temos alguns desenvolvimentos, mas eles ainda estão no estágio de conceituação”, destacou Polovinkin.



Comentários

Postagens mais visitadas