Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Turquia, Rússia e Irã precisam asssumir mais responsabilidade pela paz na Síria, diz Erdogan

Turquia, Rússia e Irã precisam assumir mais responsabilidade em estabelecer a paz na Síria, disse o presidente turco, Tayyip Erdogan, nesta segunda-feira, antes de negociações entre as três partes em Ancara.
Por Tuvan Gumrukcu e Ece Toksabay | Reuters

ANCARA - Erdogan, o presidente russo, Vladimir Putin, e o presidente do Irã, Hassan Rouhani, vão se reunir na capital turca nesta segunda-feira para tentar garantir uma trégua duradoura no noroeste da Síria, após ataques de forças do governo sírio que arriscam aprofundar a turbulência regional e desencadear uma nova onda de migrantes em direção à Turquia.


Discursando antes da reunião, Erdogan disse que os três líderes conversariam sobre os episódios mais recentes na região de Idlib, no noroeste da Síria, assim como no leste do rio Eufrates, no nordeste do país, e sobre a questão da migração.

EUA estariam construindo base militar na fronteira entre Argentina, Brasil e Paraguai

O Paraguai teria permitido que os EUA instalassem uma base militar na zona da tríplice fronteira, com Argentina e Brasil.


Sputnik

"Este não é um processo de médio prazo. Há militares lá e as construções já iniciaram", alertou o ex-político e jornalista uruguaio Juan Raúl Ferreira durante entrevista à rádio Sputnik.


Militares da Marinha dos EUA durante a cerimônia de descida das bandeiras
Militares da Marinha dos EUA durante a cerimônia de descida das bandeiras © AFP 2019 / TORU YAMANAKA

Recentemente, Ferreira escreveu um artigo intitulado "Nova intervenção dos EUA na região".

"Houve uma lei paraguaia que, se não fosse trágica, a questão seria até engraçada, pois é uma lei sem precedentes, já que é como uma confissão da parte", afirmou Ferreira.

A norma em questão permitiu a instalação e presença militar dos EUA em seu território, porém em uma zona que também envolve o Brasil e a Argentina: na chamada tríplice fronteira.

"É um lugar especialmente perigoso pela instalação do crime organizado há muitos anos. Mais de uma vez os EUA utilizaram lugares de periculosidade delituosa como pretexto para instalar bases em lugares estrategicamente importantes para eles", ressaltou.

Ele citou uma situação semelhante quando o presidente uruguaio, Tabaré Vázquez, recebeu durante seu primeiro mandato (2000-2005) o mandatário colombiano daquela época.

"Lembro-me da visita do então presidente [Álvaro] Uribe para avisar a todos os presidentes da América Latina que ele aceitaria a instalação de bases norte-americanas na Colômbia com o pretexto de lutar contra o narcotráfico. E algo semelhante ocorreu no Paraguai", explicou.

A lei aprovada pelo legislativo guarani "tem um artigo que se refere à imunidade dos militares das bases; e diz textualmente que 'serão dadas todas as imunidades diplomáticas necessárias'", questionou, adicionando uma nova informação que do ponto de vista jurídico "não tem precedente".

"Se alguém ainda tinha alguma dúvida, o artigo seguinte diz que, sem prejuízo do artigo anterior, alguma outra imunidade solicitada pelos EUA será concedida automaticamente. É uma coisa que não se pode acreditar, até como técnica jurídica", ressaltou.

Ferreira também afirma que a instalação está se desenvolvendo em um ritmo acelerado e, como se trata de uma lei paraguaia e não de um acordo, não é possível saber quantos militares há no local, bem como que material e tecnologias militares serão instalados.

"Preocupa a falta de interesse que há por parte dos governos que permitem que os EUA estabeleçam a agenda de prioridades" na região, concluiu Ferreira.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas