Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

No Dia da Amazônia Azul, Marinha troca celebrações por combate ao óleo no litoral

Comemoração, realizada todos os anos no dia 16 de novembro, deu lugar à busca e contenção da substância que chegou a dez estados brasileiros.
Por Pedro Alves e Beatriz Castro | G1 PE e TV Globo

Em 2019, o Dia Nacional da Amazônia Azul é celebrado neste domingo (16). Anualmente, desde 2015, a Marinha do Brasil realiza uma comemoração para lembrar da importância do mar brasileiro. Neste ano, porém, diante do desastre ambiental causado pelas manchas de óleo no litoral, os esforços são concentrados no combate à substância, em uma ação chamada "Operação Amazônia Azul, Mar limpo é Vida!".

A Amazônia Azul é uma zona econômica marítima exclusiva do Brasil. O país tem o direito de explorar cerca de 5,7 milhões de quilômetros quadrados de oceano, o que equivale a, aproximadamente, metade da massa continental brasileira.

Essa área passou a ser chamada de Amazônia Azul justamente para indicar à sociedade a importância dessa faixa do oceano, já que é dela que saem cerca de 85% do petróleo, 7…

Após votação sobre 'genocídio armênio', líder turco pode cancelar ida aos EUA

O presidente turco Recep Tayyip Erdogan pode cancelar uma visita a Washington na próxima semana em protesto às votações na Câmara dos Representantes para reconhecer os assassinatos em massa de armênios há um século como genocídio e buscar sanções contra a Turquia.


Sputnik

A informação foi prestada por três autoridades turcas próximas ao assunto.


Participantes da procissão de velas em Erevan rumam ao memorial de Tsitsernakaberd, que recorda o genocídio do povo armênio de 1915
Participantes da procissão de velas em Erevan rumam ao memorial de Tsitsernakaberd, que recorda o genocídio do povo armênio de 1915 © SPUTNIK / ASATUR YESAYANTS

Erdogan deve a princípio chegar a Washington em 13 de novembro a convite do presidente Donald Trump, mas disse na semana passada que os votos colocam um "ponto de interrogação" sobre os planos.

"Essas medidas ofuscam seriamente os laços entre os dois países. Devido a essas decisões, a visita de Erdogan foi suspensa", informou uma importante autoridade turca, acrescentando que uma decisão final não havia sido tomada.

Fontes turcas dizem que Trump e Erdogan têm um forte vínculo, apesar da raiva no Congresso dos EUA sobre a ofensiva turca na Síria e sua compra de defesas aéreas russas, e apesar do que Ancara vê como os próprios pronunciamentos erráticos de Trump.

Esses laços pessoais podem ser cruciais, uma vez que a Turquia, membro da OTAN, comprou o sistema de defesa antimísseis S-400 de Moscou, que segundo a lei dos EUA deve desencadear sanções.

A Turquia já está suspensa do programa de caças F-35, no qual era produtora e cliente conjunta, e a ofensiva lançada contra as forças curdas no nordeste da Síria em 9 de outubro preparou o terreno para mais retaliações nos EUA.

Embora Trump pareça abrir caminho para a incursão ao retirar suas tropas, a Casa Branca impôs brevemente sanções antes de suspendê-las após um acordo para interromper os combates e libertar os combatentes curdos da fronteira.

Então, duas semanas depois desse acordo, os votos no Congresso enfureceram a Turquia mais uma vez.

'Tempo político'

A Turquia aceita que muitos armênios que viveram no Império Otomano foram mortos em confrontos com as forças otomanas durante a Primeira Guerra Mundial, mas contesta os números e nega que os assassinatos tenham sido orquestrados ou constituam genocídio.

"Eles aproveitaram o clima político atual contra a Turquia em Washington para aprovar esta resolução", disse uma fonte próxima à presidência. Como os outros funcionários, ele falou sob condição de anonimato.

Trump expressou simpatia pela Turquia por sua compra de sistemas de defesa russos, culpando seu antecessor por não vender mísseis Patriot dos EUA em Ancara. Sua ânsia de retirar as forças americanas da Síria também se alinhava ao plano de Erdogan de enviar tropas através da fronteira para afastar o grupo curdo YPG.

No entanto, no mês passado, Trump ameaçou "aniquilar" a economia da Turquia, e Trump enviou uma carta a Erdogan no dia em que a ofensiva começou a avisá-lo de que ele poderia ser responsável por "matar milhares de pessoas".

"Não seja um cara durão. Não seja um tolo!", escreveu Trump.

Um oficial de segurança turco citou a carta de Trump, juntamente com os votos no Congresso, como prejudicial: "Se a atmosfera não mudar, não haverá motivo para esta visita". O próprio Erdogan ponderou há três semanas que não podia mais acompanhar a tempestade de tweets de Trump.

Ainda assim, para Ancara, Trump continua sendo a melhor esperança de recuperar uma parceria entre dois países que, apesar de suas dificuldades, querem quadruplicar seu comércio anual para US$ 100 bilhões.

"Os dois líderes têm um bom relacionamento", afirmou a fonte próxima à presidência. "O presidente Trump quer ter boas relações com a Turquia, apesar de seu próprio estabelecimento".


Comentários