Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

No Dia da Amazônia Azul, Marinha troca celebrações por combate ao óleo no litoral

Comemoração, realizada todos os anos no dia 16 de novembro, deu lugar à busca e contenção da substância que chegou a dez estados brasileiros.
Por Pedro Alves e Beatriz Castro | G1 PE e TV Globo

Em 2019, o Dia Nacional da Amazônia Azul é celebrado neste domingo (16). Anualmente, desde 2015, a Marinha do Brasil realiza uma comemoração para lembrar da importância do mar brasileiro. Neste ano, porém, diante do desastre ambiental causado pelas manchas de óleo no litoral, os esforços são concentrados no combate à substância, em uma ação chamada "Operação Amazônia Azul, Mar limpo é Vida!".

A Amazônia Azul é uma zona econômica marítima exclusiva do Brasil. O país tem o direito de explorar cerca de 5,7 milhões de quilômetros quadrados de oceano, o que equivale a, aproximadamente, metade da massa continental brasileira.

Essa área passou a ser chamada de Amazônia Azul justamente para indicar à sociedade a importância dessa faixa do oceano, já que é dela que saem cerca de 85% do petróleo, 7…

China apoia ação mais firme para atacar raízes de tumultos em Hong Kong, diz autoridade

A China apoia uma ação mais firme para atacar as raízes dos tumultos que abalam Hong Kong há meses, disse uma autoridade chinesa de alto escalão nesta quarta-feira, poucas horas depois de um homem munido de uma faca atacar um parlamentar pró-Pequim na cidade sob controle chinês.


Por Jessie Pang e Kate Lamb | Reuters

HONG KONG - Han Zheng, um dos vice-primeiros-ministros da China, disse em uma reunião com a líder de Hong Kong, Carrie Lam, em Pequim, que os protestos antigoverno estão prejudicando a fórmula “um país, dois sistemas” por meio da qual a ex-colônia britânica é governada desde que foi devolvida à China em 1997.

Resultado de imagem para Chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, durante entrevista coletiva em Pequim 06/11/2019 REUTERS/Jason Lee
Chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, durante entrevista coletiva em Pequim 06/11/2019 REUTERS/Jason Lee

“Apoiamos com firmeza que o governo da região administrativa especial adote medidas mais proativas e mais eficientes para resolver os problemas sociais”, disse Han, falando na Casa Estatal de Hóspedes Diaoyutai da capital chinesa.

Ele disse que os problemas sociais incluem moradias inacessíveis na cidade, que é classificada como uma “região administrativa especial” da China.

Na terça-feira, o Partido Comunista chinês disse que não tolerará nenhum “comportamento separatista” depois que alguns manifestantes pediram independência. Han disse que a violência ultrapassou o “limite” do Estado de Direito e da moralidade.

O que começou como uma agitação contra um projeto de lei de extradição já descartado, que teria permitido que pessoas fossem enviadas à China continental para julgamento, se transformou em clamores por uma democracia plena e pelo fim de uma suposta interferência chinesa.

Pequim nega interferir e culpa governos estrangeiros por atiçarem os tumultos.

Smartphone Huawei P30 Lite 128GB Azul 4G - 4GB RAM Tela 6,15” Câm. Tripla + Câm. Selfie 32MP

Smartphone Huawei P30 Lite 128GB Azul 4G - 4GB RAM Tela 6,15” Câm. Tripla + Câm. Selfie 32MP

Comentários