Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

No Dia da Amazônia Azul, Marinha troca celebrações por combate ao óleo no litoral

Comemoração, realizada todos os anos no dia 16 de novembro, deu lugar à busca e contenção da substância que chegou a dez estados brasileiros.
Por Pedro Alves e Beatriz Castro | G1 PE e TV Globo

Em 2019, o Dia Nacional da Amazônia Azul é celebrado neste domingo (16). Anualmente, desde 2015, a Marinha do Brasil realiza uma comemoração para lembrar da importância do mar brasileiro. Neste ano, porém, diante do desastre ambiental causado pelas manchas de óleo no litoral, os esforços são concentrados no combate à substância, em uma ação chamada "Operação Amazônia Azul, Mar limpo é Vida!".

A Amazônia Azul é uma zona econômica marítima exclusiva do Brasil. O país tem o direito de explorar cerca de 5,7 milhões de quilômetros quadrados de oceano, o que equivale a, aproximadamente, metade da massa continental brasileira.

Essa área passou a ser chamada de Amazônia Azul justamente para indicar à sociedade a importância dessa faixa do oceano, já que é dela que saem cerca de 85% do petróleo, 7…

EUA querem aumentar presença militar no Indo-Pacífico

Durante coletiva de imprensa no Pentágono, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Mark Esper, disse que "é necessário estar mais presente" no Indo-Pacífico.


Sputnik

A frase da autoridade americana foi dita em resposta a pergunta feita por jornalista à ministra da Defesa da Austrália, Linda Reynolds, sobre as atividades da China no Pacífico Sul.

Soldados norte-americanos preparam carga que será levada pelo helicóptero norte-americano CH-53, Tailândia (foto de arquivo)
© AP Photo/ Apichart Weerawong

Embora a ministra não tenha proferido palavras direcionadas à política chinesa no Indo-Pacífico durante a coletiva de imprensa no Pentágono, o secretário de Defesa americano, Mark Esper, deixou claro que os EUA querem aumentar sua presença na região.

"Nossa estratégia de Defesa Nacional ressalta que nossa preocupação principal é a região do Indo-Pacífico. Para implementar isso, preciso deslocar forças para a região. Preciso estar mais presente na região", publicou a fala de Esper a Secretaria de Defesa dos EUA.

Mísseis na Ásia

Esta não é a primeira vez que Mark Esper deixa claro a sua intenção de aumentar a presença militar dos Estados Unidos na região.

Ainda em 3 de agosto, a autoridade americana havia dito que queria instalar mísseis balísticos na Ásia quanto antes.

Mark Esper acusou a China de ter um comportamento agressivo no Indo-Pacífico, ao passo que os EUA e a Austrália decidiram investir bilhões de dólares na modernização de suas bases na região.


Comentários