Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Revogação de embargo de armas contra o Irã criaria instabilidade no Oriente Médio, diz EUA

A abolição do embargo de armas contra o Irã fortaleceria o governo daquele país e ameaçaria a segurança em todo o Oriente Médio, disse a repórteres o representante especial de Washington para o Irã e conselheiro sênior do secretário de Estado dos EUA, Brian Hook.
Sputnik

"O levantamento da proibição ao Irã apenas reforçará o regime e criará mais instabilidade na região", declarou Hook durante uma entrevista coletiva na Arábia Saudita.

O embargo em vigor limitou a capacidade de Teerã de atualizar sistemas de armas, reexportar tecnologias para outros países e melhorar suas capacidades marítimas, declarou o enviado dos EUA.
"O embargo limita a capacidade do Irã de mover armas livremente", acrescentou.

Em 2015, o Irã assinou o Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA), com China, França, Alemanha, Rússia, Reino Unido, Estados Unidos, Alemanha e União Europeia (UE).

O acordo exigia que Teerã reduzisse seu programa nuclear e cortasse drasticamente suas reservas de urânio em troc…

Expulsão de forças polonesas por Moscou completa 407 anos nesta segunda

Russos celebram o Dia da Unidade Nacional todo dia 4 de novembro.


Igor Rozin | Russia Beyond

Durante o Tempo de Dificuldades (1598-1613), a Rússia foi governada pela Comunidade Polaco-Lituana, que manteve o país fraco assolado pela fome e com uma série de impostores facilmente manipulados no trono do tsar.


Resultado de imagem para Monumento a Mínin e Pojárski
Monumento a Mínin e Pojárski, em Moscou | Reprodução

Os moscovitas já haviam se rebelado contra os ocupantes poloneses diversas vezes – chegando a matar 500 soldados em 1606. No entanto, foi somente em 1611 que ocorreu um cerco oficial ao Kremlin, liderado pelo príncipe Dmítri Pojárski e pelo comerciante de Ninji Nôvgorod, Kuzmá Mínin.

Com o prolongamento do bloqueio, os poloneses que não haviam morrido de fome dentro dos muros do Kremlin acabaram se rendendo em 4 de novembro.

Isso permitiu que a Rússia enfim restaurasse seu tsarismo, com Mikhaíl 1º (o primeiro da dinastia Romanov) assumindo o trono em fevereiro de 1613.

A ocasião é comemorada até hoje como um feriado público na Rússia, atualmente chamado de Dia da Unidade Nacional.



Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS