Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

China: Novo túnel de vento vai ajudar a desenvolver caça de geração próxima até 2035

O novo túnel de vento da China, chamado FL-62, realizou sua primeira operação no dia 26 de maio, em um teste para uma nova aeronave não revelada, que provavelmente será um caça a jato da sexta geração mais avançado que o J-20 e o J-31.
Poder Aéreo


Referindo-se às novas aeronaves, o designer-chefe do jato J-20, Yang Wei, havia dito em um programa televisivo da CCTV que a China projetaria “uma aeronave muito diferente no futuro através da verdadeira inovação”.

O campo de fluxo gerado pelo túnel de vento foi estável e os dados de teste da aeronave foram coletados pela primeira vez, anunciou o Aerodynamics Research Institute, da estatal Aviation Industry Corporation of China (AVIC), em comunicado divulgado nesta terça-feira pelo Global Times.

A China iniciou o trabalho em um caça de última geração a ser apresentado até 2035 ou mais cedo, segundo Wang Haifeng, arquiteto-chefe do Instituto de Pesquisa e Design de Aviões de Chengdu da AVIC em 2019, que também participou do desenvolvimento dos av…

Rússia 'fecha' fronteira no Báltico com frota de novos drones

O agrupamento de tropas russas na região de Kaliningrado passa a dispor de um destacamento de drones Forpost e, em breve, drones Orion e Corsar também se juntarão à unidade.


Sputnik

O drones farão o patrulhamento da costa e do mar Báltico, prontos para rastrearem alvos marítimos e terrestres, ajudando os aviões, artilharia e sistemas de mísseis costeiros.


Orion-E – é o primeiro drone russo capaz de lançar ataques aéreos
© Sputnik / Aleksei Filippov

Os drones Forpost, que pesam aproximadamente 450 quilos, possuem autonomia de até 17 horas e alcance de 250 quilômetros a partir do operador.

Além disso, o Forpost pode realizar missões em quaisquer condições climáticas e é equipado com sistemas optoeletrônicos de identificação de alvos. Futuramente, deve receber estações de radar, conforme o jornal russo Izvestia.

Para além de detectar alvos aéreos e marítimos, o Forpost também apoia na detecção de mísseis de cruzeiro e antinavio ou artilharia costeira que possam ser disparados em sua direção.

"Estes dispositivos podem patrulhar durante muito tempo e são especialmente úteis para operações no mar", destacou o especialista militar Anton Lavrov.

A utilização desses veículos aéreos não tripulados para controlar a situação ao longo das fronteiras é muitas vezes mais barato do que utilizar aviões de reconhecimento, além de serem mais rápidos e consumirem menos combustível.

O Ministério da Defesa russo deve também entregar nos próximos meses drones Orion para defesa da região de Kaliningrado, na região do Báltico.

O Orion é um drone de reconhecimento e ataque com um peso de aproximadamente 1.000 quilos, podendo transportar até 200 quilos de carga útil, o que permite o transporte de munições guiadas. Além disso, ele pode voar continuamente mais de um dia.

O Corsar é semelhante ao Forpost, porém é mais pesado e maior. Em seu interior, ele possui além de equipamentos ópticos, dispositivos para guerra eletrônica, bem como um radar, além de ser capaz de realizar ataques contra alvos terrestres com mísseis e bombas aéreas.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS