23 janeiro 2017

As primeiras negociações entre oposição e governo sírio começam em Astana

De Astana, um correspondente da Sputnik informa que foram oficialmente abertas as negociações de paz síria.


Sputnik


Rússia, Irã e Turquia são os mediadores nas negociações, realizadas pela primeira vez rumo à resolução da situação na Síria.

Oficiais do Cazaquistão durante últimos preparativos das negociações
© AP Photo/ Sergei Grits

De acordo com o Ministério das Relações Exteriores do Cazaquistão, os representantes da oposição armada e os do governo sírio podem permanecer negociando durante 24 horas.

Segundo um membro da oposição síria Yahya al-Aridi, o sucesso das negociações, realizadas na capital cazaque, será atingido caso questões humanitárias sejam compreendidas.

"Serão discutidas questões humanitárias. Sinceramente, elas são o indicador do sucesso ou fracasso [das negociações], pois as pessoas de ambas as partes estão sofrendo", disse.

Segundo o ministro das Relações Exteriores do Cazaquistão, Kairat Abdrakhmanov, durante entrevista à Sputnik, a solução da crise síria poderá ser atingida durante as negociações.

Vale ressaltar que, durante as prévias negociações de 2016 em Genebra, o governo e a oposição da Síria não chegaram a sentar juntos à mesa de negociações.

"O encontro de hoje é a prova clara dos esforços da comunidade internacional dirigidos à resolução pacífica da situação na Síria. O Cazaquistão acredita que a única forma de atingir a solução seja através da confiança e compreensão mútuas", declarou no discurso de abertura do evento.

Ordem dos negociadores em sentido horário: Cazaquistão, Irã, delegação do governo da Síria, ONU, EUA, delegação da oposição armada da Síria, Turquia, Rússia.

Os organizadores do encontro intencionalmente se negaram por placas diferentes para Damasco e oposição síria: ambas as partes receberam placas com a denominação "República Árabe da Síria". Segundo os organizadores, a ideia do encontro não contrapõe oposição e governo, mas é fundamentada na reunião das partes à mesa de negociações.


Postar um comentário