Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Helicópteros Mi-35 da FAB não estão à venda

A publicação francesa Intelligence Online informou que os helicópteros AH-2 Sabre (Mi-35) estariam sendo vendidos para a Líbia em uma operação triangular com os Emirados Árabes Unidos.
Poder Aéreo

Os seis helicópteros Mi-35 mais antigos da FAB seriam destinados às forças do General Khalifa Haftar (Libyan National Army).

A operação seria conduzida pela agência russa Rosoboronexport e financiada pelos Emirados Árabes Unidos.

Os AH-2 Sabre são os primeiros helicópteros de ataque genuínos em operação nas Forças Armadas brasileiras e começaram a ser utilizados em 2009. Em novembro de 2014, o esquadrão recebeu os três últimos exemplares da sua frota de doze helicópteros.

Cada AH-2 conta com um canhão de 23 mm capaz de disparar até três mil tiros em um minuto. Para se ter uma ideia, cada tiro de 23mm causa o mesmo impacto de quase 100 tiros de uma arma calibre 7,62mm, como os fuzis utilizados por tropas no solo.

Com peso de 12 toneladas, os helicópteros têm blindagens em partes essenciais, como no…

Cientista político búlgaro: 'EUA obrigaram-nos a comprar caças F-16'

A Bulgária foi forçada a escolher os caças F-16 por causa de sua dependência dos EUA, disse Andrei Raichev, cientista político búlgaro e autor de obras de sociologia.


Sputnik

Segundo Raichev, a Bulgária praticamente não tem forças armadas próprias, por isso tem de confiar nos EUA em matéria de segurança nacional. Também não há forças armadas na Europa, considera também Rajchev.

Caças F-16
© Sputnik / Aleksei Vitvitsky

"Em geral, eles nos forçaram a fazê-lo [...] A Bulgária não tem exército. Praticamente. A Bulgária não tem forças próprias para se proteger. Somos protegidos pelos EUA. Isto é um fato. Por isso, a palavra deles é o mais importante", disse o cientista político na bTV.

Raichev também expressou a opinião que no momento todos, tanto o ministro da Defesa como o primeiro-ministro, que são a favor da compra dos F-16, como o presidente do país, que critica os termos do acordo, estão tentando preservar sua dignidade, já que a Bulgária terá que em qualquer caso assinar contratos para a compra de aviões, armas e equipamentos.

Prioridades da Bulgária

A opositora de Raichev no debate, a professora de psicologia política Antoaneta Hristova, disse que a escolha da Bulgária deveria basear-se principalmente na sua adesão à OTAN e não no preço dos aviões.

A primeira prioridade é o preço e a segunda é a relação qualidade-preço", disse Hristova. Hristova também está convencida que a Bulgária não escolheu o Gripen sueco porque a Suécia não é membro da OTAN e é influenciada pela Rússia.

"E não devemos esquecer por que é que a Suécia não é membro da OTAN. Porque existe uma influência da Rússia lá, e a razão consiste em que ela (a Suécia) deve manter o equilíbrio", concluiu Hristova.

Anteriormente, o presidente búlgaro Rumen Radev vetou a ratificação dos acordos sobre os F-16. O Parlamento os votará novamente na sexta-feira (26). O partido governante acredita que o veto presidencial pode ser facilmente ultrapassado.

O custo dos oito aviões de combate é de quase 1,26 bilhões de dólares, os primeiros seis aviões serão entregues em 2023, outros dois – nos primeiros três meses de 2024.

Infraestruturas búlgaras usadas pela OTAN

A Bulgária tem quatro bases de utilização conjunta com os países da OTAN – as bases aéreas de Bezmer e de Graf Ignatievo, bem como o campo de treino de Novo Selo e um armazém em Aytos.

De acordo com a ex-embaixadora dos EUA na Bulgária, Marcie Reece, no âmbito do acordo de cooperação na área da defesa entre os países, os EUA investiram mais de US$ 60 milhões em infraestruturas e reparo dessas instalações.

Os opositores do acordo dos F-16 afirmaram muitas vezes que os EUA, utilizando estas bases militares gratuitamente, poderiam oferecer à Bulgária esses aviões de combate.

Aviao F-16D Fighting Falcon - HOBBYBOSS

Aviao F-16D Fighting Falcon - HOBBYBOSS

Comentários