Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Revogação de embargo de armas contra o Irã criaria instabilidade no Oriente Médio, diz EUA

A abolição do embargo de armas contra o Irã fortaleceria o governo daquele país e ameaçaria a segurança em todo o Oriente Médio, disse a repórteres o representante especial de Washington para o Irã e conselheiro sênior do secretário de Estado dos EUA, Brian Hook.
Sputnik

"O levantamento da proibição ao Irã apenas reforçará o regime e criará mais instabilidade na região", declarou Hook durante uma entrevista coletiva na Arábia Saudita.

O embargo em vigor limitou a capacidade de Teerã de atualizar sistemas de armas, reexportar tecnologias para outros países e melhorar suas capacidades marítimas, declarou o enviado dos EUA.
"O embargo limita a capacidade do Irã de mover armas livremente", acrescentou.

Em 2015, o Irã assinou o Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA), com China, França, Alemanha, Rússia, Reino Unido, Estados Unidos, Alemanha e União Europeia (UE).

O acordo exigia que Teerã reduzisse seu programa nuclear e cortasse drasticamente suas reservas de urânio em troc…

Tudo sobre o novo míssil balístico intercontinental russo ‘Sarmat’

Cientistas russos concluíram testes de motor do primeiro segmento do novo míssil balístico intercontinental ‘Sarmat’, que será entregue ao exército em 2021. Quase todas as características táticas e técnicas da arma são secretas, mas o Russia Beyond descobriu tudo o que era possível com engenheiros e analistas militares.


Igor Rozin | Russia Beyond

As tropas de mísseis russas receberão, em 2021, o novo míssil balístico intercontinental ‘Sarmat’, que substituirá seu antecessor “RS-20V Voievôda” (segundo a classificação da Otan, “SS-18 Satan”), de acordo com o Ministério da Defesa da Rússia.

Resultado de imagem para sarmat missile

O “Sarmat” é um míssil balístico intercontinental de propulsão por combustível líquido que pesa 100 toneladas e pode transportar até 10 toneladas de carga.

O novo míssil poderá voar a velocidades hipersônicas (superiores à Mach 5, ou seja, 6.120 km/h), e mudar de trajetória e altura de voo para evitar interceptação.

Diferentemente do ‘Voievôda’, que tem 10 ogivas, o ‘Sarmat’ terá pelo menos 15 ogivas nucleares guiadas individualmente. As ogivas funcionarão como bombas de fragmentação, com capacidade de 150 mil a 300 mil toneladas, e poderão ser lançadas separadamente contra alvos diferentes.

Além disso, enquanto o alcance do ‘Voievôda’ é de 11 mil quilômetros, o ‘Sarmat’ poderá atingir alvos a até 17 mil quilômetros de distância.

Além da substituição dos mísseis ‘Voievôda’ que, no momento da conclusão do tratado START-III, terão cumprido seu prazo para exploração nas tropas, o objetivo principal do novo míssil será a contenção de possíveis agressores.

No entanto, segundo o major-general Vladímir Dvôrkin, mísseis estratégicos de combustível sólido, como Topol-M, Iárs, Rubezj e o futuro sistema de mísseis ferroviários Barguzin seriam suficientes para resolver esta tarefa.

“O míssil ‘Sarmat’ instalado nos depósitos do ‘Voievôda’ é um uma boa arma ofensiva. Nunca seremos os primeiros a lançar um ataque nuclear, embora esta possibilidade seja prevista pela nossa doutrina militar", explica Dvôrkin.

O general-coronel Víktor Iéssin não está completamente de acordo sobre o assunto: "Não planejamos ser os primeiros a atacar com uma arma nuclear. O míssil ‘Sarmat’ também não se destina a isso, mas só a responder a algum ataque: só poderemos utilizá-lo quando os mísseis do inimigo voarem em nossa direção. Nosso potencial inimigo sabe disso. É por isso que o míssil ‘Sarmat’, como outros sistemas de mísseis, será a garantia de nossa segurança”, diz Iéssin.

Smart TV 4K LED 50” Samsung UN50RU7100 Wi-Fi - HDR 3 HDMI 2 USB

Smart TV 4K LED 50” Samsung UN50RU7100 Wi-Fi - HDR 3 HDMI 2 USB

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS